Algo Muito Bom Vem Por Aí: JUGGERNAUT X

1290
training frequency, infinite_labs
New call-to-action

Juggernaut X-FruitPunch

bulletpoint juggernauteJuggernaut X-fruitepunchfacts

Algo Muito Bom Vem Por Aí: JUGGERNAUT X

JUGGERNAUT X® é o melhor suplemento pré-treino para apoiar a intensidade do treino, a energia, a resistência muscular, a força e os enormes pumps musculares. JUGGERNAUT X® é o suplemento líder para expansão muscular e plasmática. Esses complexos trabalham de forma integrada em toda a célula muscular, com espaços intracelulares e vasculares providenciando suporte no volume do músculo inteiro, no anabolismo e na hipertrofia. O Juggernaut X foi projetado para fornecer aos usuários, uma bomba de “expansão do plasma” única. Ele inclui ingredientes como Sulfato de Agmatina, Citrulina, CarnoSyn®, Ácido Málico, Cafeína, Tirosina e Creapure. Nossa fórmula exclusiva combina todos os ingredientes necessários para garantir que você receba o “boost” necessário para otimizar seu treino de uma maneira desejada por muitos atletas e fisiculturistas.

New call-to-action

Juggernaut X pode ajudar: 
•    No Aumento de Massa Magra*
•    Na Estimulação do Crescimento de Fibra Muscular*
•    No Poder de Explosão*
•    No Prolongamento da Sensação de “Pump”*
•    Na Melhoria do Foco Mental*
•    Na Redução Significativa da Fadiga*
•    Na Melhoria do Fluxo Sanguíneo*
•    Na Reserva de Ácido Lático nos Músculos*

 

Discriminação dos Ingredientes:

sleep, infinite_labsCitrulina
A citrulina é um aminoácido não essencial que desempenha um papel vital no balanço de nitrogênio e em numerosos processos metabólicos.

É sintetizada principalmente a partir da glutamina no intestino, mas também é encontrada naturalmente em pequenas quantidades em alguns alimentos. A citrulina foi incluída nesta fórmula como uma nova maneira de ajudar a aumentar a arginina, bem como o óxido nítrico (NO). Nas células que revestem os vasos sanguíneos (células endoteliais), a produção de óxido nítrico provoca a vasodilatação (abertura dos vasos). O NO está envolvido na regulação global da resistência vascular sistêmica, onde inibe a adesão de células e substâncias estranhas nas paredes dos vasos sanguíneos, e ajuda a suprimir a proliferação de células do músculo liso no revestimento dos vasos.

Além do seu potencial benefício na arginina e na produção de NO, a citrulina pode ser um método eficaz de manter o volume plasmático (Nota: o volume plasmático é a medida do volume de plasma no sangue. O plasma é a parte líquida do sangue que consiste em vários sais inorgânicos tais como sódio, potássio, cálcio e proteínas; a porção sólida do sangue é composta por células.). O uso da citrulina é um estimulador muito mais eficaz de NO se comparado com a arginina. De fato, vários estudos relataram que a ingestão da L-citrulina é mais eficaz do que a ingestão da L-arginina no aumento da concentração plasmática de L-arginina. Especificamente, foi demonstrado que a ingestão aguda de 3-6 g de L-citrulina resulta numa duplicação da concentração de plasma de L-arginina em seres humanos saudáveis. Esses valores são 30% mais elevados do que seria atingido após a ingestão de uma dose similar de L-arginina. Estudos recentes descobriram que a suplementação a curto prazo, de L-citrulina, mas não de L-arginina, pode melhorar a pressão arterial, a cinética de VO2 e o desempenho de adultos saudáveis em exercícios. Isto sugere que durante um exercício de alta intensidade apenas a suplementação de L-citrulina melhorou a quantidade total de trabalho realizado.

FORÇA E PODER
“Vá além dos demais com o Juggernaut X. Com oito gramas de citrulina por porção, o nosso mais novo pré-treino inclui todos os ingredientes necessários para ajudá-lo a alcançar novas metas e atingir seus objetivos fitness.”

Juggernaut X, infinite_labsA L-citrulina é um aminoácido que suporta as concentrações de óxido nítrico e a arginina, auxiliando na regulação do fluxo sanguíneo e na resistência muscular. Um novo estudo recentemente informou que 8 gramas de citrulina por dia aumenta o desempenho dos membros inferiores em levantadores de peso experientes. Os pesquisadores observaram levantadores de peso que ingeriram citrulina antes de realizar repetições de vários exercícios submáximos de resistência da parte inferior do corpo, apresentando uma melhoria na performance. O protocolo do exercício resultou numa diminuição significativa do número de repetições em resposta ao exercício. Entretanto, os indivíduos do grupo que ingeriram citrulina realizaram um número significativamente maior de repetições em comparação com o grupo placebo. Em conclusão, os resultados sugerem que a suplementação de citrulina pode ser benéfica para melhorar o desempenho de exercícios com múltiplas repetições da parte inferior do corpo em pessoas treinadas para resistência.

Agmatina
A agmatina é um suplemento único capaz de proporcionar enormes benefícios para quem quer melhorar o desempenho mental e físico. A biossíntese de agmatina pela descarboxilação da arginina está bem posicionada para competir com as principais vias dependentes de arginina, ou seja: o metabolismo de nitrogênio (ciclo da ureia), a poliamina e a síntese de NO, bem como a síntese de proteínas. Estudos mostram que a agmatina tem benefícios no suporte e na proteção cardíaca através do (entre outras ações) seu impacto sobre a regulação de óxido nítrico, benefícios neuroprotetores através de seu papel como um modulador e agente de apoio para neurotransmissores, e benefícios cognitivos e de promoção do humor através de suas influências combinadas na síntese de óxido nítrico e na modulação dos neurotransmissores. Agmatina é um neurotransmissor que trabalha de várias maneiras para melhorar a saúde física e mental. A agmatina não apenas promove o pump que vai inundar o músculo alvo com sangue, e, essencialmente, nutrientes. Além disso, melhora a sensibilidade à insulina e o metabolismo da glucose, atua como um anti-inflamatório e aumenta a secreção de beta-endorfina (que é essencialmente um neurotransmissor para “sentir-se bem”). A agmatina possui propriedades antidepressivas e ansiolíticas (para alívio da ansiedade), que podem ser benéficas nos levantamentos de peso e nos exercícios de alto estresse.

FORÇA E PODER
“Vá além dos demais com o Juggernaut X. Com oito gramas de citrulina por porção, o nosso mais novo pré-treino inclui todos os ingredientes necessários para ajudá-lo a alcançar novas metas e atingir seus objetivos fitness.”

Juggernaut X, infinite_labsCreatina

Descoberta pela primeira vez em 1832, a creatina é um composto como um aminoácido, produzida no fígado, rins e pâncreas a partir da arginina, glicina e metionina. Fontes alimentares de creatina incluem carne, peixe e aves. Adultos e adolescentes que consomem regularmente esses alimentos geralmente comem entre 1-2 gramas de creatina por dia, valor que é aproximadamente igual à taxa de degradação da creatina no corpo. Em um adulto macho normal e saudável, 95% das reservas de creatina são encontradas nos músculos esqueléticos, enquanto que os 5% restantes são encontrados no coração, cérebro, olhos, rins e testículos. Desde 1992, mais de 300 trabalhos de pesquisa foram publicados sobre os efeitos da creatina como um construtor muscular e potenciador de desempenho. Em geral, a maioria (~ 65-70%) desses ensaios clínicos encontraram efeitos benéficos na suplementação da creatina monohidratada, particularmente durante explosões curtas e repetidas de atividades de alta intensidade. Embora as respostas variem de pessoa para pessoa, indivíduos que ingeriram creatina ganharam em média um aumento de 900 a 2200 gramas a mais de massa muscular, e um aumento de 5 a 15% da força e da potência muscular em comparação com indivíduos de controle (ou placebo). É provável que os vegetarianos, que não consomem nenhum produto animal, experimentem benefícios ainda maiores do uso da creatina.

Uma analogia útil é que a creatina é para atletas de força/potência e corridas, o que o carboidrato é para os atletas de resistência. Em outras palavras, as funções fisiológicas da creatina aumentam a produção de energia durante a atividade muscular intensa e repetitiva. Mais especificamente, após seu transporte e absorção pelo músculo, acredita-se que a creatina sirva pelo menos para quatro funções vitais: 1) serve como um condensador de energia, armazenando a energia que pode ser utilizada para regenerar o trifosfato de adenosina (ATP); 2) aumenta a capacidade de transferência de energia entre as mitocôndrias e as fibras musculares; 3) serve como um tampão contra acidose intracelular durante o exercício; e 4) ativa a glicogenólise (quebra de glicogênio) durante o exercício. Coletivamente, estes efeitos permitem que os atletas tenham uma melhor performance durante os treinamentos, levando a um maior aumento da massa muscular, força, potência e resistência muscular de alta intensidade. Estudos recentes também focaram nos potenciais benefícios no uso de creatina para certas doenças neurológicas e cardiovasculares.

As recomendações iniciais para o uso de creatina resultaram da pesquisa inicial utilizando uma “carga” com 20-30 gramas por dia de 5 a 7 dias (divididos em 4 a 6 doses iguais de 5 gramas). Com base na nova pesquisa, refinamentos foram feitos para essa estratégia, e agora muitos atletas consomem apenas uma dose de 5 gramas aproximadamente 60 minutos antes ou imediatamente após o treinamento (o exercício é conhecido por aumentar a absorção de creatina em cerca de 10%).

Embora ainda seja um pouco especulativo, o ciclo da creatina (ou seja, 4 semanas de uso seguido por uma pausa de 4 semanas) é apoiado por estudos que mostram que, uma vez que os estoques musculares de creatina estão cheios, eles podem permanecer elevados (e melhorar o desempenho) por mais 4 a 5 semanas sem nenhuma ingestão. Em homens e mulheres normais e saudáveis, a suplementação diária de 3-5 gramas por dia de creatina parece não apresentar riscos adversos para a saúde. O uso a longo prazo de doses mais elevadas (≥ 10 g/dia) não é recomendado pois pesquisas sobre este tipo de uso de creatina ainda não estão disponíveis. Sobrecargas de creatina são desnecessárias. Doses diárias de 3-5 gramas, dependendo do peso corporal, são suficientes para aumentar o armazenamento intramuscular de creatina e melhorar a massa muscular e o desempenho em um prazo de 30 dias.

A creatina também pode aumentar a massa muscular, reduzindo os níveis de miostatina. Em um estudo do Journal of Molecular and Cellular Endocrinology, os pesquisadores examinaram como a creatina impactou os níveis de miostatina em homens treinados para resistência. Num ensaio em dupla ocultação, 27 indivíduos saudáveis do sexo masculino foram designados a treinamento de resistência e a grupos de suplementação de creatina. Surpreendentemente, o estudo constatou que a suplementação da creatina juntamente com um programa de treinamento de resistência, amplifica a queda dos níveis séricos de miostatina causada pelo treino, aumentando os efeitos do exercício sobre a força e a massa muscular. Outros estudos relataram que a ingestão de creatina melhora as respostas musculares IGF-1, conjugado com o aumento da ativação das células satélite.

Juggernaut X, infinite_labsBeta-Alanina

Beta-alanina é um aminoácido que, com a ajuda de um outro aminoácido chamado histidina, ajuda a formar um composto chamado carnosina no músculo. A carnosina, por sua vez, é um dos tampões mais poderosos de pH (ácido), conhecida por operar no músculo durante o exercício intenso. Nos últimos catorze anos, pesquisas de cinco países (Japão, Reino Unido, Coreia, Rússia e Estados Unidos) têm acumulado potenciais benefícios com a suplementação de beta-alanina em seres humanos. Colocando de uma maneira simples, se exercícios de alta intensidade são a sua praia, a beta-alanina irá ajudá-lo a alcançar novos níveis de desempenho. Por exemplo, um ensaio com 33 homens em dupla ocultação controlado por placebo foi realizado recentemente no The College of New Jersey. Depois de serem colocados em grupos ingerindo apenas creatina (10,5 gramas/dia), outro ingerindo creatina + beta alanina (10,5 gramas de creatina + 3,2 gramas/dia de beta-alanina), e outro placebo (10,5 gramas/dia de dextrose), os indivíduos foram submetidos a 10 semanas de treinamentos de resistência.

Os pesquisadores relataram que os indivíduos no grupo da creatina + beta-alanina ganharam significativamente mais massa magra (~ 2 kg.) e ainda perderam mais gordura corporal do que os indivíduos nos outros dois grupos. Além disso, as taxas de fadiga durante o treino eram mais baixas, e o volume de formação era mais alto no grupo de creatina + beta-alanina.

Em outro estudo que avaliou os efeitos da suplementação de beta-alanina em humanos, 51 homens tiveram suplementação diária com 3,2 gramas de beta-alanina por 28 dias. O suplemento foi dividido em quatro doses de 800 mg por dia durante seis dias consecutivos, seguido por duas doses de 1,6 g pelos próximos 22 dias. Os resultados indicaram que a suplementação de beta-alanina atrasou o aparecimento da fadiga (e, assim, melhorou o desempenho) em 14,5%. Em contraste com o estudo anterior, não houve qualquer efeito adicional quando a beta-alanina foi combinada com uma dose diária de creatina monohidratada. Finalmente, um estudo recente examinou os efeitos da ingestão de beta-alanina por 4 semanas versus 10 semanas no desempenho com ciclismo. Vinte e cinco homens saudáveis foram suplementados com um placebo ou com 4 a 6 gramas por dia de beta-alanina. Após 4 semanas, os indivíduos que tomaram beta-alanina tiveram aumentos significativos em seus níveis de carnosina nos músculo da perna, e em 10 semanas os níveis de carnosina quase que duplicaram em relação ao início. Com relação ao desempenho, a beta-alanina aumentou a capacidade de trabalho total em 13% após 4 semanas, e 16% após 10 semanas. Por outro lado, nenhuma mudança foi verificada no grupo de placebo.

Ao melhorar o potencial de tamponamento do músculo, a beta-alanina aumenta a intensidade e o volume do treino, potencializando assim os efeitos benéficos do treinamento físico na composição corporal. Por ser rapidamente eliminada do sangue, e em doses elevadas causar formigamento periférico (semelhante a niacina), as doses ideais de beta-alanina são de 400-800 mg, tomadas de quatro a oito vezes por dia.

FORÇA E PODER
“Vá além dos demais com o Juggernaut X. Com oito gramas de citrulina por porção, o nosso mais novo pré-treino inclui todos os ingredientes necessários para ajudá-lo a alcançar novas metas e atingir seus objetivos fitness.”

sleep, infinite_labsCafeína

A cafeína é a substância psicoativa mais consumida no mundo ocidental. Além de ser um estimulante do SNC, possui uma variedade de efeitos colaterais relativos à contração muscular, a diurese, a secreção gástrica e a lipólise. Em média, um cidadão dos EUA consome 206 mg de cafeína por dia (o equivalente a cerca de dois copos de café), e 10% da população adulta ingere mais de 1000 mg de cafeína por dia. Quimicamente, a cafeína (1,3,7-trimetilxantina) é membro de uma classe de drogas conhecidas como metilxantinas. O efeito farmacológico primário da cafeína é o antagonismo seletivo dos receptores de adenosina A1 e A2A. A adenosina é um constituinte celular que modula a liberação e a atividade de uma variedade de neurotransmissores, incluindo a norepinefrina, acetilcolina, dopamina, e GABA. Ela inibe principalmente a liberação de neurotransmissores excitatórios, por isso o aumento das concentrações de adenosina reduz a excitação e suprime a atividade comportamental espontânea. As concentrações de adenosina aumentam lentamente durante a vigília, de modo que o antagonismo da adenosina é o que causa o efeito despertador da cafeína. Outros efeitos da cafeína incluem a inibição da fosfodiesterase (PDE), o bloqueio da GABA-A, e a mobilização do cálcio intracelular. A relevância desses efeitos em doses normais é discutível.

O efeito benéfico que a cafeína tem sobre os exercícios de resistência está bem estabelecido, e foi confirmado por uma multiplicidade de estudos. Durante um exercício submáximo, a cafeína em doses de 3-9 mg/kg (200-900 mg) retarda a fadiga consideravelmente, aumentando o tempo de exercício em 20-50%, com a faixa de 3-6 mg/kg sendo a ideal. Doses mais baixas, tais como 1,5 mg/kg, parecem oferecer pelo menos algum benefício. A magnitude do efeito benéfico depende de uma variedade de fatores, como o tipo e a intensidade do exercício (o maior efeito é observado em exercícios com duração de 30-120 minutos), o uso prévio de cafeína (com maiores e mais duradouros efeitos entre os não usuários), o estado do treinamento e a variação individual. Embora muitos desses estudos sejam realizados em estado de jejum, que não reflete as condições realistas, o benefício ainda é visto em estudos nos quais os indivíduos estão bem alimentados. Usar cafeína para melhorar a performance de resistência também é bastante seguro. Doses de até 10 mg/kg não prejudicam a termorregulação durante o exercício, e o exercício físico previne os efeitos da cafeína na diurese, para que o estado da hidratação não seja comprometido.

Também foi descoberto que a cafeína induz um aumento no número de repetições até a fadiga durante exercícios de resistência. Os pesquisadores examinaram o impacto da ingestão aguda de cafeína, sob a percepção da dor muscular, após um turno de exercícios de resistência de alta intensidade dos membros superiores até a falha. Homens moderadamente treinados ingeriram uma dose de cafeína (5 mg · kg-1) ou placebo numa ordem aleatória e contrabalanceada, e uma hora mais tarde, completaram uma série de supino até a falha à uma intensidade de 60% de uma repetição no máximo. No final do estudo, a cafeína resultou numa melhoria das repetições até a falha, num maior pico de lactato no sangue e numa EPR inferior em comparação com o placebo. A percepção da dor muscular também foi significativamente mais baixa com o uso cafeína em comparação com o placebo. Em média, a cafeína aumentou as repetições até a falha em 11,6% no supino e em 19,1% no leg press. Os resultados sugerem que a ingestão de cafeína melhora o desempenho da força muscular e reduz a percepção da dor muscular nos membros superiores imediatamente após uma sessão de exercícios de resistência de alta intensidade até a falha.

L-Tirosina

O aminoácido tirosina é o precursor dos neurotransmissores catecolaminas, dopamina e norepinefrina. Na verdade, a hidroxilação da tirosina pela enzima tirosina hidroxilase é a etapa limitante da velocidade de síntese das catecolaminas. O aumento de absorção de tirosina pode influenciar positivamente no funcionamento psicológico relacionado com a catecolamina. Este aminoácido tem sido administrado a pacientes deprimidos para melhorar o humor, mas embora tenha sido observado um aumento na produção de catecolaminas, o tratamento não melhorou o humor. Há evidências de que a tirosina pode beneficiar indivíduos saudáveis expostos a condições situacionais exigentes. Alguns sugeriram que a produção inadequada desses hormônios ou transmissores poderia comprometer o desempenho físico ideal. Por exemplo, a administração de tirosina parece melhorar a cognição e o desempenho em soldados sob condições estressantes.

 

FORÇA E PODER
“Vá além dos demais com o Juggernaut X. Com oito gramas de citrulina por porção, o nosso mais novo pré-treino inclui todos os ingredientes necessários para ajudá-lo a alcançar novas metas e atingir seus objetivos fitness.”

HARTMAN, W. J., P. M. TORRE, and R. L. PRIOR. Dietary citrulline but not ornithine counteracts dietary arginine deficiency in rats by increasing splanchnic release of citrulline. J. Nutr. 124:1950–1960, 1994.

HARRIS, P. A., G. R. R. CUNNINGHAM, W. E. LAWSON, and M. L. SUMMAR. Oral citrulline effectively elevates plasma arginine levels for 24 hours in normal volunteers. Circulation 106(suppl):II-339, 2002.

Pérez-Guisado J, Jakeman PM. Citrulline malate enhances athletic anaerobic performance and relieves muscle soreness. J Strength Cond Res. 2010 May;24(5):1215-22.

Wax B, Kavazis AN, Weldon K, Sperlak J. Effects of supplemental citrulline malate ingestion during repeated bouts of lower-body exercise in advanced weightlifters. J Strength Cond Res. 2015 Mar;29(3):786-92.

Branch JD. Effect of creatine supplementation on body composition and performance: a meta-analysis. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2003 Jun;13(2):198-226.

Saremi A, Gharakhanloo R, Sharghi S, Gharaati MR, Larijani B, Omidfar K. Effects of oral creatine and resistance training on serum myostatin and GASP-1. Mol Cell Endocrinol, 2009 Dec 22.

Deldicque L, Louis M, Theisen D, Nielens H, Dehoux M, Thissen JP, Rennie MJ, Francaux M. Increased IGF mRNA in human skeletal muscle after creatine supplementation. Med Sci Sports Exerc, 2005 May;37(5):731.

Kreider RB, Almada AL, Antonio J, Broeder C, Earnest C, Greenwood M, Incledon T, Kalman DS, Kleiner SM, Leutholtz B, Lowery LM, Mendel R, Stout JR, Willoughby DS, Ziegenfuss TN. ISSN Exercise and Sport Nutrition Review: Research and Recommendations. Sports Nutrition Review Journal. 1(1):1-44, 2004.

Kreider RB. Effects of creatine supplementation on performance and training adaptations. Mol Cell Biochem. 2003 Feb;244(1-2):89-94.

Rawson ES, Volek JS. Effects of creatine supplementation and resistance training on muscle strength and weightlifting performance. J Strength Cond Res. 2003 Nov;17(4):822-31.

Wyss M, Schulze A. Health implications of creatine: can oral creatine supplementation protect against neurological and atherosclerotic disease? Neuroscience. 2002;112(2):243-60.

Bemben MG, Lamont HS. Creatine supplementation and exercise performance – recent findings. Sports Medicine. 2005 35(2):107-125.

Burke DG, Chilibeck PD, Davidson KS, Candow DG, Farthing J, Smith-Palmer T. The effect of whey protein supplementation with and without creatine monohydrate combined with resistance training on lean tissue mass and muscle strength. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2001 Sep;11(3):349-64.

Burke DG, Chilibeck PD, Parise G, Candow DG, Mahoney D, Tarnopolsky M. Effect of creatine and weight training on muscle creatine and performance in vegetarians. Med Sci Sports Exerc. 2003 Nov;35(11):1946-55.

Shao A, Hathcock JN. Risk assessment for creatine monohydrate. Regulatory Toxicology and Pharmacology. 2006 Aug;45(3):242-51.

Poortmans JR, Francaux M. Long-term oral creatine supplementation does not impair renal function in healthy athletes. Med Sci Sports Exerc 1999 Aug;31(8):1108-10

Hoffman J, Ratamess N, Kang J, Mangine G, Faigenbaum A, Stout J. Effect of creatine and beta-alanine supplementation on performance and endocrine responses in strength/power athletes. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2006 Aug;16(4):430-446.

Stout JR, Cramer JT, Mielke M, O’Kroy J, Torok DJ, Zoeller RF. Effects of twenty-eight days of beta-alanine and creatine monohydrate supplementation on the physical working capacity at neuromuscular fatigue threshold. J Strength Condit Res. 2006, 20(4):928-931.

Hill CA, Harris RC, Kim HJ, Harris BD, Sale C, Boobis LH, Kim CK, Wise JA. Influence of beta-alanine supplementation on skeletal muscle carnosine concentrations and high intensity cycling capacity. Amino Acids. 2006 Jul 28; [Epub ahead of print]

Kourtidou-Papadeli C, Papadelis C, Louizos AL, Guiba-Tziampiri O. Maximum cognitive performance and physiological time trend measurements after caffeine intake. Cogn Brain Res. 2002 May;13(3):407-15.

Thong FS, Derave W, Kiens B, Graham TE, Urso B, Wojtaszewski JF, Hansen BF, Richter EA. Caffeine-induced impairment of insulin action but not insulin signaling in human skeletal muscle is reduced by exercise.Diabetes. 2002 Mar;51(3):583-90.

Davis JM, Zhao Z, Stock HS, Mehl KA, Buggy J, Hand GA. Central nervous system effects of caffeine and adenosine on fatigue. Am J Physiol Regul Integr Comp Physiol. 2003 Feb;284(2):R399-404. Epub 2002 Oct 24.

Bell DG, McLellan TM. Exercise endurance 1, 3, and 6 h after caffeine ingestion in caffeine users and nonusers.J Appl Physiol. 2002 Oct;93(4):1227-34.

Papadelis C, Kourtidou-Papadeli C, Vlachogiannis E, Skepastianos P, Bamidis P, Maglaveras N,   Pappas K. Effects of mental workload and caffeine on catecholamines and blood pressure compared to performance variations. Brain Cogn. 2003 Feb;51(1):143-54.

Cox GR, Desbrow B, Montgomery PG, Anderson ME, Bruce CR, Macrides TA, Martin DT, Moquin A, Roberts A, Hawley JA, Burke LM. Effect of different protocols of caffeine intake on metabolism and endurance performance. J Appl Physiol. 2002 Sep;93(3):990-9.

Lim BV, Jang MH, Shin MC, Kim HB, Kim YJ, Kim YP, Chung JH, Kim H, Shin MS, Kim SS, Kim EH, Kim CJ. Caffeine inhibits exercise-induced increase in tryptophan hydroxylase expression in dorsal and median raphe of Sprague-Dawley rats. Neurosci Lett. 2001 Jul 27;308(1):25-8.

Dunagan N, Greenleaf JE, Cisar CJ. Thermoregulatory effects of caffeine ingestion during submaximal exercise in men.Aviat Space Environ Med. 1998 Dec;69(12):1178-81.

Kovacs EM, Stegen JHCH, Brouns F. Effect of caffeinated drinks on substrate metabolism, caffeine excretion, and performance. J Appl Physiol. 1998 Aug;85(2):709-15. Pollak CP, Bright D. Caffeine consumption and weekly sleep patterns in US seventh-, eighth-, and ninth-graders. Pediatrics. 2003 Jan;111(1):42-6.

Hespel P, Op’t Eijnde B, Van Leemputte M.J Opposite actions of caffeine and creatine on muscle relaxation time in humans. Appl Physiol. 2002 Feb;92(2):513-8.

BUY